5 dicas de como fazer uma boa estratégia de relacionamento com clientes

Você identificou o problema do seu público-alvo, fez a oferta do seu produto ou serviço e conseguiu fechar a venda. Mas o trabalho não para por aí. Existe ainda uma outra etapa, que tem ganhado cada vez mais importância: a do relacionamento com os clientes.

Em um tempo marcado pela obesidade da informação, que ocorre quando a quantidade de conteúdos à nossa disposição é tão grande que não damos conta de absorvê-la, cada vez mais os consumidores procuram uma empresa que indique o caminho e facilite suas vidas.

Para suprir essa necessidade, você pode apostar em uma estratégia consistente de relacionamento. Empresas que fazem isso colhem frutos como retenção de clientes, upsell (compra de um produto ou serviço mais caro) e cross-sell (compra de outros produtos ou serviços).

Neste post, trazemos 5 dicas de como você pode se relacionar com seus contatos e clientes, desde a etapa de aquisição até a retenção. Confira!

1. Invista em uma ferramenta de CRM

Em qualquer esfera da vida, um relacionamento exige confiança e proximidade. Com os seus clientes não é diferente. Para que eles se sintam compreendidos, é preciso que a empresa saiba com quem está falando.

Conhecer cada um dos seus clientes é fácil quando se tem uma empresa pequena. Mas, à medida que o negócio começa a escalar, acompanhar tudo manualmente é complicado. É aí que entram as ferramentas de CRM (Customer Relationship Management).

O software permite acompanhar as informações dos contatos e clientes, organizando tudo o que antes ficava em planilhas, cadernos e post-its em um só lugar. O time de vendas consegue inserir os dados no software e, quando um vendedor precisa entrar em contato, dados como histórico de compras estão à disposição para uma interação mais personalizada.

Conheça alguns dos CRMs mais usados no Brasil:

2. Faça vendas consultivas

Ter uma ferramenta de apoio ao trabalho do vendedor é importante, mas só isso não basta. Os profissionais de vendas precisam também desenvolver habilidades novas, que estejam de acordo com os desejos dos consumidores atuais.

Nesse contexto, as vendas consultivas têm se tornado mais populares entre os times de vendas como um processo menos invasivo. Como o próprio nome já diz, nele o vendedor atua como uma espécie de consultor, que entende o momento em que o possível cliente se encontra e se esforça para ajudá-lo. 

Para um vendedor ser consultivo, é preciso conhecer bem o mercado da empresa em que atua. Saber criar conexão, ter empatia, curiosidade e interesse, além de fazer as perguntas certas na hora certa. Para ter uma ideia de como essa abordagem vai na contramão da “venda clássica”, ser consultivo inclui até deixar de fechar negócio, caso não faça sentido para o cliente.

3. Implemente uma estratégia de conteúdo

A abordagem de uma empresa menos invasiva e mais disposta a ajudar não fica restrita ao time de vendas: pode ser usada desde o marketing. Um exemplo disso é o inbound marketing, ou marketing de atração. A estratégia, que é um dos pilares do marketing digital, consiste em atrair clientes usando conteúdos úteis, como artigos e ebooks.

Por meio do conteúdo, trabalhado para ser encontrado facilmente pelo Google, a empresa ajuda o possível cliente a descobrir que tem um problema e mostra como solucioná-lo. É uma estratégia que permite que determinados negócios sejam autoridade em seus mercados de atuação.

Mas o marketing de conteúdo não serve somente para a etapa de aquisição: você também pode utilizar a estratégia para mostrar a quem já é cliente como tirar o melhor proveito do seu produto ou serviço, por exemplo.

4. Preocupe-se com o sucesso do cliente

Muitas empresas, principalmente as startups, têm implementado áreas de Sucesso do Cliente. A ideia desse time é pesquisar e desenhar toda a jornada do cliente, fazendo com que eles tenham uma excelente experiência em todos os pontos de contato com o produto ou serviço adquirido, desde a sua entrada como prospect até no pós-vendas. 

Entender aspectos de “user experience”, sejam eles usabilidade, pontos de dor e perfil de uso,  fazem a diferença na hora de priorizar melhorias e aumentar a percepção de valor do cliente. 

É diferente do suporte, que funciona de forma mais passiva, aguardando os tickets. No sucesso do cliente, os profissionais trabalham de forma proativa para que o cliente alcance os resultados desejados.

Ter uma área de sucesso do cliente e, mais do que isso, estender essa mentalidade a toda a empresa cria um vínculo próximo, ajudando na retenção, na fidelização e na indicação da sua base.

5. Faça um bom email marketing

Ter uma estratégia de email marketing consiste em usar mensagens de email para se relacionar com sua audiência. Há quem diga que o email marketing morreu ou que está saturado, pois os consumidores estão com a caixa de entrada lotada. Mas nem sempre é verdade. Em geral, o email marketing que incomoda é aquele feito de forma inconveniente, sem a permissão do consumidor ou com temas que não são do interesse dele.

Diferentemente das redes sociais, em que é necessário competir com postagens de parentes e amigos, no email você tem a oportunidade de falar somente com o seu contato. Para isso, bastam mensagens atrativas e segmentado de acordo com o perfil e os interesses dele. Uma boa ideia é usar o canal para distribuir os conteúdos de que falamos no tópico 3. E, para não parar no spam, lembre-se: mande suas mensagens somente para quem autorizou o envio.

Além do email transacional, há a newsletter, um tipo específico de formato de email que permite informar e abordar assuntos diversos. De fácil leitura, permite fazer uma mescla de artigos, notícias ou promoções, deixando o cliente a par de todas as novidades.

Se a sua empresa atua no mercado de finanças, por exemplo, dá para enviar uma curadoria com as tendências do setor, uma análise das notícias com o panorama político e econômico da semana, uma coletânea com o que saiu sobre a marca na mídia… As possibilidades da newsletter são muitas e sem dúvida seu contato sairá mais informado após a leitura.

Mas buscar as notícias, selecioná-las, montar e enviar o email manualmente pode ser trabalhoso. Ainda bem que no mercado já existem ferramentas que facilitam todo o processo, do monitoramento ao disparo da mensagem.

Uma delas é o Newsmonitor, que permite pesquisar as matérias, monitorar os termos que interessam para o seu negócio, montar a newsletter em um template customizável e enviar os emails. Tudo sem sair da ferramenta. Que tal testar grátis por 7 dias? Clique aqui e comece agora!

Fale com um especialista em monitoramento »
Tópicos: Tendências Futuro #inovação transformação digital digital startups monitoramento changemanagement